segunda-feira, 15 de junho de 2015

Guiné-Bissau: Nascimento de um país…


Por João Paulo Guerra, enviado da Emissora Nacional, Bissau, Bafatá e Canjambari, Agosto de 1974

         Bissau é uma cidade sob controlo, nestes dias de Agosto de 1974. Mas controlo de quem?  O PAIGC declarou unilateralmente o Estado da Guiné-Bissau, em Setembro do ano passado e, por muito que isso esteja atravessado na garganta de alguns dignitários portugueses, o coronel Fabião e os outros militares que aqui representam o Governo e o MFA não querem hostilizar o novo Estado e os seus dirigentes, tanto mais que decorrem negociações para a assinatura do cessar-fogo e o reconhecimento da independência da Guiné.



A autoridade colonial é aqui representada por um «delegado da Junta de Salvação Nacional». O coronel Carlos Fabião recusou o título de “governador” para não afrontar os guineenses. Mas para efeitos práticos a autoridade colonial é uma ficção em Bissau. Ao lado do Palácio do Governador, uma vivenda aloja uma pequena representação do PAIGC, dirigida por Jovêncio Gomes. Só se viu quem de facto controla Bissau no dia 3 de Agosto de 1974, passagem do 15º aniversário do massacre colonial de trabalhadores do porto de Pidjiguiti. A cidade de Bissau, à voz do PAIGC, cumpriu a 100 por cento uma greve geral. Parou tudo. Nesse dia, para enviar uma crónica para a Emissora Nacional em Lisboa, tive que o fazer directamente dos emissores regionais, localizados na estrada para Bissalanca, arredores de Bissau. Na capital nem os estúdios da Emissora do Estado português funcionaram, porque nenhum trabalhador guineense trabalhou. 
         A guerra na Guiné parou mas as forças em presença no terreno mantêm as respectivas posições, em certas situações à vista umas das outras. Na delegação do PAIGC em Bissau acabei por obter um «visto» para visitar as áreas controladas pela guerrilha. Parti logo após a greve geral de 3 de Agosto. Foi de lá regressei agora, de uma estadia de uma semana, sem contactos com Lisboa.
O carro da Emissora levou-me de Bissau a Bafatá. Ao fim de longas de conversações com o comandante da guarnição militar portuguesa tinha uma viatura Unimog com condutor à disposição. Precisei de outro tanto tempo para convencer o oficial a confiar-me a viatura mas sem condutor, que era uma exigência do PAIGC para a minha deslocação: “nada de tropa portuguesa”.
Mas à hora aprazada eu estava ao volante do Unimog pronto a partir não sabia para onde. Foi quando um grupo de civis, que depois percebi constituírem uma patrulha do PAIGC, tomou conta da viatura e me informou, delicadamente, que eles próprios me conduziriam às «áreas libertadas da Guiné». Pelo caminho, no banco da frente, ao lado do condutor do PAIGC, partilhei a música de um pequeno rádio a pilhas que ele pendurou no retrovisor. O aparelho de rádio transmitia jazz e o condutor, quadro clandestino do PAIGC, a dado momento não se conteve sem exclamar, ao mesmo tempo de aumentava o volume do transístor:
         - Vi estes gajos no Festival de Jazz de Cascais, há dois anos.
         - Eu também lá estive - respondi. - E também vi e ouvi estes gajos: são o quarteto de Dave Brubeck, estiveram no Cascais Jazz de 1972.
Luís Cabral
De Bafatá ao meu destino, que eu ignorava, foi um longo caminho. Permaneci uma semana nas matas de Canjambari, no norte da Guiné, onde estava a direcção do PAIGC, liderada por Luís Cabral, e o Governo provisório da República da Guiné-Bissau, com os ministros Vítor Saúde Maria e Manuel dos Santos, entre outros. Falei com quem quis, assisti a cerimónias de Estado, à apresentação de credenciais de embaixadores de quatro países africanos, no dia 11 de Agosto, a um desfile militar com carros de combate. Falei com diplomatas africanos, professores e alunos guineenses, médicos cubanos. Vivi uma semana numa região da Terra onde não circulava dinheiro nem havia portas com fechadura. E uma semana depois, com a mesma roupa no corpo com que tinha chegado, parti de volta para Bafatá com as fitas magnéticas da Nagra da Emissora Nacional cheias de preciosos dados de reportagem. Tinha testemunhado verdadeiramente o nascimento de um país. Uma das preciosidades que trouxe na Nagra foi a primeira gravação do Hino da Guiné-Bissau, cantado por crianças das escolas da área de Canjambari para o meu microfone de repórter. [i]

Manuel dos Santos
Perto de Bafatá ainda testemunhei a substituição de uma guarnição militar portuguesa por guerrilheiros guineenses. Cerimónia militar, com o rigor da formatura. Mas à voz de destroçar, os soldados portugueses e guineenses caíram nos braços uns dos outros. E choraram, aqueles homens calejados pela guerra, choraram.

Como é que podiam ser inimigos?

João Paulo Guerra, Emissora Nacional, crónica da Guiné-Bissau, Agosto de 1974




[i] Anos mais tarde, quando procurei obter uma cópia da reportagem, fui informado que a bobina tinha sido apagada.

Sem comentários: